Mochilão América do Sul: Córdoba, serras e um abraço do Che

Parque Sarmiento - Córdoba - Argentina - Mochilão América do Sul

As dez horas de viagem de Buenos Aires a Córdoba não foram das mais fáceis, havia comprado um assento não muito confortável e um senhor um pouco espaçoso sentou ao meu lado, complicando a situação já nada cômoda. Mas, o problema mesmo era lidar com a minha cabeça, que depois de ter encarado ficar doente pela primeira vez fora de casa, estava fraca na missão e em intervalos entre dormir e acordar alimentava pensamentos não muito animadores.

Logo quando cheguei, conheci duas chilenas no hostel que fizeram o convite para irmos a uma feirinha de artes, como era feriado a cidade estava tranquila e repleta de atividades artísticas ao ar livre. Naquele primeiro momento minha impressão era de uma Córdoba colorida, de ritmo suave. Mas, conhecer uma cidade em dias de feriado, não é conhecer uma cidade.

Encontrar as simpáticas Dani e Nicol do Chile me animou bastante, pena que no mesmo dia estavam de regresso ao seu país. Eu não imaginava, mas viria a encontrá-las por lá, algumas semanas depois.

Não sei se minha percepção de Córdoba foi influenciada por como eu me sentia, de alguma maneira sempre é, mas conversando com outros viajantes que ali passavam, vejo que realmente o maior atrativo da cidade não está na própria cidade, se não ao se em torno, em suas serras.

Em Córdoba a maior atração está em sua arquitetura, muitas igrejas, museus, praças, mas a mim só convenceu mesmo a igreja gótica, essa sim foi de dizer uaauuu!

Catedral Gótica

Catedral Gótica

A cidade parecia viver o seu ritmo de trabalho, como qualquer cidade grande, mas me garantiram que o final de semana por lá é animado. Eu, preferi não esperar. Quero voltar um dia e ver se me acarinho mais pela cidade.

Córdoba tem dois terminais de ônibus e do pequeno, bem no coração da cidade saem ônibus às cidades localizadas nas serras, eu tratei de correr a Alta Gracia, onde está o museu A Casa de Che. A cidade parecia fantasma, quase ninguém nas ruas para eu pedir informação, me perdi um bocado, mas finalmente cheguei ao museu. O preço salgado logo me colocou uma cara de desespero, algo em torno de 75 ARS (+/- 40 reais), quase toda minha verba do dia. Acho que o recepcionista percebeu e me perguntou se eu tinha carteirinha de estudante. Eu, muito esperta, tinha esquecido de levar a minha válida até 2013 (santo Senac), mas ainda assim ele fez o preço de estudante. Não chegava a ser a metade, mas já era algum desconto.

Pronto, cruzando as portas do museu começou o chororô.  Não pude evitar, estava frágil e, se não me engano, já na segunda sala  havia uma carta que Che escreveu aos seus pais em sua primeira viagem pela Argentina, com a qual me identifiquei muito.

O museu é uma pequena casa, onde Ernesto Guevara de la Serna, viveu dos seus 6 a 14 anos, por recomendações médicas. Era asmático e o clima seco e puro de Alta Gracia o ajudaria com seus problemas respiratórios. Logo na entrada nos deparamos com uma escultura do pequeno Ernestito sentado na varanda, entramos e simples salas, com seus livros, cartas, objetos, vão contando como cresceu o viajante que viria a se tornar guerrilheiro e marcar a história da América Latina. Independente de concordar ou não com sua luta, é difícil passar ileso por sua história. Há quem consiga?

Eu que pensava que abortaria a missão que tanto tinha sonhado, agora estava ali diante de tantos relatos de coragem , de cartas onde o comandante falava sobre suas motivações para viajar e seus sonhos de mudar o mundo. Me senti abraçada e muito mais forte.

Che também levava na mochila

Che também levava na mochila

O menino Enerstito

O menino Enerstito

Depois do abraço de Che, ainda conheci Carlos Paz, uma charmosa cidade também nas serras de Córdoba, onde estão muitas fábricas de alfajores. Que tentação!

E segui em frente, próxima e última parada na Argentina : Mendoza.

Hasta la victoria siempre!

Muros coloridos de Córdoba

Muros coloridos de Córdoba

Mais arte nos muros de Córdoba

Mais arte nos muros de Córdoba

Entrada para o Link Córdoba Hostel

Entrada para o Link Córdoba Hostel

Dicas úteis:

Link Córdoba Hostel

Um dos melhores hostels que fiquei durante a viagem.  Ambiente agradável, pessoal do staff super simpáticos (um dos donos é um brasileiro), quartos e banheiros limpos. O café da manhã a la argentinos é bem servido, doce de leite, geleias, media lunas…

Então fica a dica para quem vai se hospedar em Córdoba ;)

Este é o quarto post da série Mochilão América do Sul.

Perdeu os anteriores? Confira aqui:

1. A decisão de viajar sozinha e de mochila

2. Planejar e Cruzar fronteira

3. Buenos Aires, querida e louca!

Anúncios

1 comentário

Arquivado em América do Sul, Argentina, Destinos

Uma resposta para “Mochilão América do Sul: Córdoba, serras e um abraço do Che

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s