Arquivo do autor:Fernanda Mendes

Sobre Fernanda Mendes

Cool hunter, formada em Marketing, paulistana da gema. Sozinha pareço uma multidão. Desde o retorno da minha temporada na lua, ouço como primavera e falo como junho.

#levonamochilaSP459 – Fotografe São Paulo

São Paulo 459 anosMostre a SP que você conhece! Compartilhe usando #levonamochilaSP459 e marcando @levonamochila no Instagram.

Os autores das 3 melhores fotos ganham um post no blog, Instagram e fanpage do Levo na Mochila, exibindo suas imagens + entrevista sobre o tema.

Fotos antigas são permitidas e não há limite de quantidade :)
Válido somente para fotos de autoria própria.

Participem!

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Mochilão SP

#Mochilão SP – Existe AMOR em SP

Mesmo com a intervenção da Guarda Civil Metropolitana pela manhã (sem base nenhuma e provavelmente a pedido dos assessores do Kassab, que estavam no local), rolou ontem na Praça Franklin Roosevelt o festival #ExisteAMORemSP.

Apesar de ter um fundo político, que reivindicava uma cidade mais pública e uma administração menos repressora (como a atual), o festival era apartidário e tinha como objetivo também, inspirar uma São Paulo “mais humana, inclusiva e gentil, uma cidade com mais amor”.

É realmente inspirador ver mais de 8 mil pessoas de diversos estilos, reunidas pacificamente, reforçando esse coro, desfrutando de uma tarde ensolarada na praça e cantando junto nos shows do Porcas e Borboletas, Andreia Dias, Thiago Pethit, Lurdez da Luz, Gaby Amarantos, Emicida e Criolo.

Tudo correu maravilhosamente bem, parecia que todos ali eram amigos de longa data. Foi muito lindo participar de um festival onde o público era protagonista. Um dia para não se esquecer.

Tomara que eventos como esse se repitam, trazendo sempre mais e mais pessoas. Tomara que os sentimentos de luta, tolerância e amor não fiquem apenas no discurso. Esperamos que seja possível enxergar todo esse amor no dia-a-dia da nossa cidade, afinal…

4 Comentários

Arquivado em Mochilão SP

Resultado da Promoção: Levo o Rio na Mochila com o Lapa Hostel

Essa foi a frase vencedora da primeira promoção do Levo na Mochila em parceria com o Lapa Hostel.

Parabéns, Letícia! Esperamos que você aproveite muito o final de semana no Rio com a galera do Lapa Hostel e volte para Porto Alegre com a alma ainda mais leve, pés prontos para outra e com o coração e a mochila cheios de boas histórias para compartilhar com a gente.

;)

Fiquem ligados, em breve teremos mais promoções por aqui!

2 Comentários

Arquivado em Novidades

Hostels: Tirando mitos da mochila

A principio, a ideia de compartilhar o quarto com desconhecidos em um hostel (também conhecido como albergue) nos deixava um pouco inseguras. Por outro lado,  a ideia de conhecer pessoas de várias partes do mundo e ainda viajar gastando pouco nos agradava muito. Tínhamos dúvidas, pois ouvimos muitas histórias a respeito de hostels, algumas boas e outras ruins. Mas por que não experimentar e tirar as próprias conclusões? Assim fizemos.

Cada uma de nós já se hospedou em tudo quanto é tipo de hostel e viveu as mais diferentes situações. Ficamos em lugares super chiques, super simples, alguns com balada e outros com iluminação a base de lampião, quarto misto, separado, quarto pra 26 pessoas super confortáveis, quarto pra 4 pessoas que mal cabiam 2, um banheiro pra 20 pessoas, suíte, hostel com janta free e música ao vivo, chuveiro frio, jacuzzi quentinha… Sério, todo tipo mesmo. Felizmente, o ponto em comum entre todos esses é que na grande maioria tivemos experiências positivas.

Todas as vezes tivemos a chance de conhecer pessoas de vários lugares, culturas e estilos.  É um ambiente que facilita muito a socialização, bem mais que hotel. Algumas dessas pessoas que conhecemos se tornaram grandes amigas. Por exemplo, no Rio de Janeiro a Dany e eu dividimos o quarto com 4 chilenos ano passado, esse ano ela reencontrou 3 deles no Chile e se hospedou na casa de 2.

Eu também mal posso dizer que fiz um mochilão sozinha pela Europa, estava sempre conhecendo pessoas no hostel e saiamos juntos para desbravar a cidade. Na véspera do meu aniversário, por exemplo, estava sozinha em um quarto para 4 pessoas em Dublin, prestes a ir dormir, até que as 22h30 uma garota colombiana chamada Gisela chegou no quarto. Ficamos conversando bastante e quando disse a ela que meu aniversário seria no dia seguinte, ela me fez pular da cama, trocar de roupa e sair para comemorarmos. Graças a animação da Gisela, meu aniversário foi regado a Guinness, risadas e música boa em um típico pub irlandês.

Isso sem contar (já contando) que conhecemos o Sergio, o homem mais famoso aqui no blog, em um hostel em Florianópolis. São tantas histórias boas que dava pra passar horas escrevendo aqui.

Claro que nem tudo é perfeito. Infelizmente já presenciamos caso de um homem entrando no vestiário feminino, pessoa que teve o celular roubado enquanto carregava, companheiros de quarto barulhentos. É raro acontecer, mas não dá pra negar que acontece. Nossa recomendação é que vocês pensem que tipo de ambiente desejam, pesquisem bem e escolham o local de acordo com seu estilo. Nosso meio favorito de pesquisa é o Hostelworld, lá é possível avaliar a classificação do hostel de acordo com critérios como localização, limpeza, segurança e atmosfera, ler depoimentos de quem já se hospedou e ter uma ideia se está de acordo com o que você procura.

Na nossa opinião, é um meio de hospedagem que vale muito a pena! Tanto que sempre que conhecemos um novo, damos dicas aqui e também buscamos fazer parcerias. A mais nova é o Lapa Hostel Rio. É um lugar super fofo e localizado onde a vida noturna do Rio acontece, na Lapa! Se tiverem dúvidas quanto a hostels e como aproveitar a cidade maravilhosa, podem falar com eles também, a equipe é muito prestativa.

É isso! Sempre que tivermos mais dicas, dividiremos aqui com vocês. E se vocês pretendem ou já tem experiências com hostels, compartilha aqui com a gente também!

1 comentário

Arquivado em Dicas de Viagem

Pub Crawl em Madrid, uma experiência nos bares da capital espanhola

Não se assustem com a foto, foi bem mais tranquilo do que parece.

Nos primeiros dias em Madrid, acabava voltando para o hostel por volta das 21h (nesse horário o sol ainda brilha), pois ficava super cansada de tanto andar pela cidade. Em uma quinta-feira me animei e resolvi participar de um pub crawl organizado pelo hostel. Nunca havia participado de um antes e a ideia nem me atraia tanto, mas como estava sozinha, pensei que seria uma boa oportunidade de conhecer pessoas e um pouco da noite de Madrid.

Nesse dia precisei trocar de quarto, saindo de um para 4 pessoas e indo para um com 6. Eis que estou em minha habitação, quando meus novos companheiros de quarto abrem a porta. Eram 5 californianos. Por um minuto senti uma mistura de alegria e desespero. Fiquei meio tímida, conversei um pouco com os caras e sai do quarto. Quando voltei estavam todos de cueca se preparando para tirar uma soneca. Por dentro, reagi assim. Por fora, fingi que não vi, peguei minhas coisas e sai correndo. Sim, sou uma loser.

Mais tarde, descobri que os caras também iriam para o pub crawl. Por 15 euros iríamos para 2 bares e uma balada, com direito a 2 cervejas no primeiro bar, um drink no segundo e entrada free na balada. Primeira parada: o bar underground do Cat’s Hostel. Muito legal, parece uma caverna, a cerveja é gelada, a música é boa e as vezes rola até umas bandas tocando por lá. Também é um ótimo lugar para se hospedar. Segunda parada: Não lembro. Não por culpa das cervejas, mas é que o bar era muito comum, não tinha nada que chamasse atenção, então fiquei conversando com um monte de gente e esqueci de fotografar e anotar o nome do lugar. Aos leitores, minhas sinceras desculpas. Terceira parada: Kapital. Maior balada que vi na vida. São 7 andares, cada um com um tipo de música. Cheio de gente bonita. O problema de lá é que eu sempre pensava “O que será que está tocando na outra pista?” e não parava quieta. De acordo com os californianos, o problema era que apesar de ser um lugar bem turístico, todas as meninas em quem eles chegavam falando inglês, não davam a menor atenção a eles. Então, garotos, se querem se dar bem, arrisquem falar espanhol.

No final o pub crawl foi acima das minhas expectativas. Conheci gente de várias partes do mundo, ouvi muitas histórias, ri demais, dancei e até cantei “Ai se eu te pego”, que estava tocando por toda parte. Valeu muito a pena, recomendo!

2 Comentários

Arquivado em Destinos, Espanha, Europa

Eu, eu mesma e Madrid

Preciso dizer que mal comecei a viagem e já estou apaixonada. Vou tentar resumir em dois posts como aconteceu. Nesse primeiro, vou contar as coisas legais que vi e fiz na cidade durante o dia.

Após me despedir da família mais linda de Mallorca, tomei meu rumo em direção à Madrid. Ali acabava o suporte dos Valentincic e minha jornada independente começava. Do aeroporto eu deveria ir até a Puerta del Sol de metrô e então trocar de trem em direção a estação Antón Martín. Por alguma razão que desconheço, ao invés de fazer a troca, desci na estação Sol e fiquei zanzando pela praça com uma mochila de 10kg nas costas. Sabia que dava para ir andando da praça até o hostel, mas preferi não arriscar me perder (pois acontece sempre) carregando aquele peso todo. Então voltei para o metrô e finalmente desci na estação certa. Me hospedei no Mad Hostel, que fica pertinho da estação. Logo na recepção percebi porque o lugar tinha tantos reviews positivos de mulheres… acho que sonhei uns dois dias seguidos com o recepcionista. O quarto era minúsculo, mas no geral o ambiente era muito legal. Também dei sorte com meus roommates, nos dois primeiros dias dividi o quarto com a Tammy (uma garota de Taiwan apaixonada pelo Kaká que foi minha companheira e guia por um dia) e com o Edward (um cara britânico que me deu um ingresso para o museu Reina Sofia \o/).

Na manhã seguinte tomei aquele café da manhã esperto no hostel, peguei minha garrafinha de água e fui bater perna. Assim foram todos os meus dias em Madrid… andando, andando, andando. Apesar do sistema de metrô impecável, fiz quase tudo a pé.  A facilidade para se locomover foi a primeira coisa que despertou o meu amor pela cidade. Me perdia, me encontrava, quando me perdia pra valer pedia informação para as pessoas que foram muito amigáveis e essa foi a segunda coisa que me agradou: a receptividade! A terceira coisa que me fez feliz foram os preços. Almoçava bem por 7 euros, comprava Kebab na rua por 3 euros, vi blusinhas lindas em lojas (mas não comprei! #focada) por 4 euros, o transporte também era barato. Enfim, deu pra economizar legal :)

Com poucos euros e muita disposição, fui a muitos lugares. Nem vou comentar muito sobre os váaarios pontos turísticos da cidade, pois tem informações a respeito em tudo quanto é canto e quando vocês forem lá, vão dar de cara com todos eles. Vou falar mesmo sobre dois lugares que tiraram meu fôlego. O primeiro, foi o museu Reina Sofia. Na verdade, vale a pena comprar um bilhete promocional que dá direito também ao Prado e ao Thyssen-Bornemisza, mas foi no Reina Sofia que vi um quadro do Salvador Dalí pela primeira vez (e meu coração disparou) e é lá que está o Guernica, super painel pintado por Picasso representando o bombardeio sofrido pela cidade de Guernica, antiga capital basca, durante a Guerra Civil Espanhola, em abril de 1937. O segundo lugar que tirou meu fôlego, por incrível que pareça, foi um jardim… o Real Jardín Botánico de Madrid. Geralmente não é o tipo de coisa que me cativa, mas na tentativa de encontrar o Parque del Buen Retiro, acabei me perdendo (oi?) e parando nesse jardim. Estava meio vazio, então fui caminhando sozinha entre as flores, árvores, plantas, pensando na vida… até que no meio daquele calorão, ligaram os sprinkles e ao invés de correr, fiquei sentada em um banquinho olhando para tudo aquilo, com a água fresquinha na cabeça e do nada, como diz minha vó, “tampei a chorar”. Não sou muito emotiva, mas foi um momento TÂO feliz que não aguentei. Passei o dia todo lá escrevendo, tirando fotos, fazendo um piquenique. Ai que dia… suspiro só de lembrar. Recomendo!

Agora algumas fotos das minhas andanças em Madrid…

Fotos por: Fernanda Mendes

Publicado por: Fernanda Mendes

Deixe um comentário

Arquivado em Destinos, Espanha, Europa

Mallorca, um paraíso espanhol

Antes de chegar, tinha a impressão que Mallorca era pequena e meio natureba, primeiro engano. A ilha é beeem grande e tem de tudo, desde as facilidades de uma metrópole (só as facilidades, a poluição e trânsito não chegaram por lá) até a tranquilidade e belezas naturais. Mallorca tem praias incríveis como as de Illetes, Sant Elm, montanhas lindas a caminho de Valdemossa, sem contar o delicioso clima e culinária mediterrânea. Fiquei 4 dias em Palmanyola, na casa de amigos. O patriarca e os filhos são nativos da ilha, já a matriarca é italiana, mas vive em Mallorca há 20 anos. Tive muita sorte de poder conhecer Mallorca sob o olhar dos moradores, assim pude ir além do turismo e saber mais sobre o dia-a-dia, as histórias e os segredos do local. Agora Mallorca está passando por uma fase muito importante. Desde a morte de Franco, a Espanha recuperou a democracia e passou a retomar os dialetos que haviam sido banidos durante o regime de Franco. Há anos o Mallorquín passou a ser ensinado nas escolas, porém o governo espanhol há algum tempo vem tentando eliminar o dialeto novamente. A população está lutando contra, há laços com as cores da bandeira colocados em frente a estabelecimentos, escolas, igrejas como forma de protesto. Uma manifestação muito interessante está sendo organizada por diversos artistas locais. A Francesca Valentintic, a amiga que me hospedou com muuuito carinho, é escritora e foi convidada a participar dessa manifestação. Não vou contar agora como vai funcionar, pois ainda vai acontecer e não quero estragar a surpresa, só posso dizer que adoraria presenciar, pois vai ser muito bonita.

Agora fiquem com um gostinho desse paraíso espanhol.

Fotos por: Fernanda Mendes

Postado por: Fernanda Mendes

3 Comentários

Arquivado em Destinos, Espanha, Europa