Arquivo do autor:Guest Post

Dicas de Sobrevivência em Nova York

Nova York foi a cidade onde passei mais tempo fora do Brasil a turismo. Fui estudar em novembro do ano passado e não tirei o pé de Manhattan por 3 semanas, mesmo convivendo com os resquícios do Sandy.

Se por um lado não conheci toda a cidade, peguei bastante macete para aproveitar o melhor da cidade e pagar pouco.

Vamos lá:

METRÔ:

Metrô Nova York

Pode-se fazer tudo em NY de metrô ou a pé. O melhor é adquirir o Metrocard. Você pode comprar um passe semanal (US$ 28,00) ou mensal e usar quantas vezes você quiser. Nas linhas, cuidado com as linhas expressas. Tem pontos que elas não param. Veja pra onde você vai, os destinos em Manhatan são sempre divididos entre Downtown (Sul, lado do distrito financeiro) e Uptown (norte do Central Park e Harlem). É como o Corinthians – Palmeiras no metrô de São Paulo. Cuidado com os ratos também, tem muito. Apesar de falarem que só andam nos trilhos, teve gente que viu andando na plataforma. A parte mais legal são os artistas, de todo gênero, tocando a qualquer hora nas estações. Cada parade é uma boa surpresa musical.

SOBREVIVÊNCIA:

• 
Wi-fi: todo Starbucks tem de graça. Só se conectar no ATTwifi, aceitar autorização no browser e ficar usando. Se preferir, compre crédito no Skype.

• 
Cupons: É tudo caro para entrar, acima de US$ 20,00. Via de regra, procure os cupons; tem em hotel, em flyers de outras atrações e até gente distribuindo na Times Square. Vale a pena, porque você acaba economizando uns 5 dólares em cada. No final, sobra um bom dinheiro.

Comida: também achei cara. É regra deixar de 15% a 20% da conta para o garçom. Eles não incluem na conta, mas se você não deixar, eles olham muito feio pra você. O mesmo vale pra taxi – 10% está ótimo. Café da manhã é Starbucks, pelo menos pra mim. Mc Donald’s tem algumas opções boas, que você não precise comer ovo e bacon, e bem baratas. De resto, o que puder comprar em supermercado vai salvar seu orçamento.

MUSEUS:

Se você gostar de museus, tem que ir no Metropolitan. É gigantesco, de tirar o fôlego. De longe, o que mais gostei. Tem de múmia, templos egípcios inteiros até Van Gogh. Tem exposições geniais, na minha época teve uma do Andy Warhol, que mostra como ele inovou e influenciou outros artistas na pop art. Não fui no Guggenhein, mas o MoMA é excelente também. O Jardim das Esculturas é maravilhoso. Se for por lá, prefira começar do andar mais alto e ir descendo. Assim, se cansar, já viu a parte mais bacana. Eu fiz o contrário e me arrependi. Se não gostar de museus, ainda tem 2 dicas bacanas: tem que dar uma passada no Museu de História Natural e no Madame Trussauds, o museu de cera. Não são cansativos e você se diverte muito. Se for no Madame Trussauds, não perde o cinema dos Vingadores. 
Museus são todos pagos e caros, mas tem uma pegadinha: no Metropolitan e no Museu de História Natural, a entrada é por doação. Então, só dar um dólar que eles te dão a entrada. Os museus de arte tem sempre um dia que é de graça. No MoMA, é toda sexta depois das 5pm. É bem cheio e pra pegar o ingresso de graça tem uma fila de virar o quarteirão, mas que você não precisa se preocupar, porque ela anda muito, muito rápida. Se não me engano, o Guggenhein é no sábado. Eu fiquei louco para visitar o Intrepid Sea, Air and Space Museum, um porta-aviões em Manhattan com aviões de todos os tempos e até um ônibus especial, mas o Sandy tenha feito um bom estrago e só abriria em 2013. 

Nova York

Nova York

Nova York

Monet no MoMA, MET e o Museu de História Natural, onde não se deve passar a noite, de acordo com o filme 

BROADWAY / TIMES SQUARE:


Nova YorkÉ muvuca, mas é é uma experiência inesquecível, especialmente pelos luminosos. Até McDonalds, entrada de metrô, é tudo brilhante. Não esqueça de passar na loja do MMs (no norte da Times) e na ToysRUs, uma loja de brinquedos que tem tiranossauro, legos gigantes do Empire State, da Estátua, e até uma roda gigante de verdade. 
Se quiser assistir um show, é tudo bem caro, a minha dica é ir em dia da semana e procurar lá no meio da Times Square o TKTS. O teto da bilheteria é uma arquibancada paras pessoas olharem pra Times Square. Lá tem a maioria dos espetáculos com 50% de desconto (Chicago, Fantasma da Ópera, etc.).

Times Square Nova York

ATRAÇÕES GRATUITAS:

• Central Park: é monstruoso e você pode passar dias lá, mas evite à noite. Dizem que é um pouco perigoso, especialmente para mulheres. Visite a Basheda Fountain, que todo dia tem noiva tirando foto. Tem sempre gente cantando opera e dançando por ali. Se for no inverno, na parte sul tem o rink de patinação, mas é bem cheio. Tem outras opções de rink como o Rockfeller Plaza (na 5a Av.) e no Briant Park (também na 5a Av., atrás da Biblioteca Municipal).

Central Park Nova York

Central Park Nova York

Central Park: Gapstow Bridge e sessão de fotos de noivos na Basheda Fountain

• Grand Central Terminal: Estação central de trens e metrô em Manhattan. É a Luz de lá. O lugar é incrível, com um teto com constelações e uma Apple Store bem no meio, que é muito interessante de visitar. Está sempre cheia de gente passando, mas vale a pena parar meia hora lá e acompanhar o movimento e tirar fotos.
 Muitos filmes foram gravados lá.

Grand Central Terminal Nova York

Chinatown e Little Italy: Em uma tarde, você anda pelos 2 bairros e come bem. Chinatown é bem maior, e pra mim só valeu pelas ruas cheias de neon. Já a Little Italy é o Bixiga, só que saído do Poderoso Chefão. Vale parar pra comer lá, mas pode ser um pouco caro.
 De qualquer forma, é o lugar onde fui melhor atendido em NY. Os italianos são incomparáveis em simpatia.

Nova York

IMG_9670Chinatown & Little Italy

• Ponte do Brooklyn, Estátua da Liberdade, Wall Street e Memorial 9/11: está tudo em Downtown. Conselho: pegue um barco no Bryant Park e veja tudo. O memorial do WTC é bom passar na frente pra ver o que está acontecendo, na época que eu fui estava com problema por causa do Sandy. A Wall Street não tem nada de mais. 5 minutos andando em 2 quarteirões e tá tudo certo. Mesmo o Charging Bull, aquela estátua do touro, que fica para o sul de Wall Street não compensa, porque está sempre lotado de turista japonês em volta tirando foto segurando o saco do boi.
 A Brooklyn Bridge é um clássico, não pode deixar de visitar.

Nova York

Nova York

Estátua da Liberdade vista do barco e tudo o que você vai ver do Charging Bull, se tiver a mesma sorte que eu.

Sutton Place: é uma pracinha bem gostosa, mas minúscula, de frente para a Roosevelt Island. Achei bem bonito a vista de lá. É totalmente fora dos roteiros.

Nova York

• 5a Av.: Super lotado, ainda mais na época de natal. Tem várias lojas de grife mas a atração é o Rockfeller Center. É onde fica a famosa árvore de natal e sempre tem algo interessante ali na praça central. No natal é deslumbrante, com o rink de patinação em  frente à árvore. Dica, entra primeiro no prédio principal, desce pro subsolo, pega um café na Starbucks e depois passeia por lá.

Rockfeller Center Nova York

• Chryrsler Building: o prédio mais bonito de NY. É do lado da Grand Central, mas não tem nada pra fazer lá porque não dá pra entrar. Mas ele está presente o tempo inteiro na paisagem, o que garante várias belas fotos do skyline de Manhattan.

Nova York

• High Line: é meu lugar favorito de NY. Eles pegaram um Minhocão, mas que era uma linha de trem, e que estava abandonado, e transformaram em um parque, só deixando a vegetação crescer. Imperdível. Prefira a parte do sul, em Chelsea, e terminar o passeio no Chelsea Market.

Nova York

IMG_8860

• Harlem: eu não fui, mas o povo que foi se divertiu nas igrejas que tem lá. Falaram que vale o passeio e assistir um culto.

Roosevelt Island: não tem nada lá, mas tem uma bela vista de Manhattan. Se gostar de Friends, é onde a maioria das tomadas de Manhattan entre os quadros são feitas. Para chegar, é só pegar um teleférico perto da Bloomingdale’s.

Nova York

• St. Pratrick Cathedral:  eu tenho uma queda por igrejas, adoro visitar. E essa definitivamente não decepciona. É super bem localizada, na frente do Rockfeller Center. Você não perde tempo nenhum para visitar esse lugar.

PRÉDIOS e PASSEIOS:


• Empire State Building: o passeio é caro, mas vale a vista. A vista é incrível e o pessoal de todo o prédio é muito simpático e bem humorado. A arquitetura em Art Decó é um show à parte. Se quiser, só caminhar pelo saguão de graça já vale a pena.

Nova YorkDowntown visto do observatório no 86º andar do Empire State Building

Top of the Rock, o topo do Rockfeller Center: dizem que a vista é mais bonita que a do Empire State, mas não fui não achei necessário pagar para subir. Mas deve ser mesmo, por poder ver o Empire State na paisagem e por ser mais próximo do Central Park. De qualquer forma, se quiser ir nos dois lugares, acho que vale ir em um de dia e no outro à noite.

• ONU: está fora dos roteiros número 1, mas gostei demais do passeio lá. O prédio é meio zuado, tipo Brasília, mas a visita guiada é interessante, é quase uma palestra sobre a história deles. Se gostar de história ou guerras, é demais. O meu guia foi um sujeito do Congo.

Nova YorkA parada final da visita: o hall da Assembléia Geral

COMPRAS:

• Century 21: melhor lugar para economizar em Manhattan. Você pode ir lá no dia que estiver em Downtown.

Apple Store: a loja da Grand Central e a da 5a Av., do lado do Central Park, o famoso cubo de vidro, são imperdíveis. Tem uma no Chelsea também, se estiver passeando pelo sul da High Line. Todas tem wi-fi grátis.

Nova YorkCubo de vidro da Apple visto de dentro

Bloomingdale’s: não fui, mas parece ser interessante. Não sei como é o preço.

• Macy’s: a maior loja de departamentos do mundo. São 9 andares de loja. Vale a visita, mesmo se não for comprar nada. Pode almoçar por lá. No natal, as vitrines são grandes atrações. É do lado do Empire State. 
 Evite na Black Friday como você deve evitar a Times Square no Reveillon.

• B&H: se quiser comprar alguma coisa de fotografia, é o melhor lugar do mundo. Gigantesco e barato. Mas fecha aos sábados, porque é quase todo mundo judeu.

Algumas fotos da viagem:

Sandy Nova YorkLembranças do Sandy

Nova YorkNova YorkEm um único passeio em Downtown: Bolsa de Valores em Wall Street e Brooklyn Bridge

Nova York

Nova YorkExistem lembranças do 11/09 por toda Downtown

Nova YorkNova YorkCity Hall, também em Downtown, e o prédio da ONU

St. Patrick Cathedral Nova YorkSt. Patrick Cathedral

Nova YorkRoda gigante na famosa loja da Toy’sRus, na Times Square

Fotos e texto por Lucas Machado
@lucasmachado
Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em América do Norte, Destinos, Estados Unidos

Nova York de mochila

 

Imagem

Vim fazer post penetra para a galera do Levo na Mochila para que você, leitor deste blog tudo de bom, possa aproveitar Nova York dentro do seu orçamento! 

O primeiro passo é encontrar passagens que caibam na mochila, certo? Achei bem mais fácil fazer isso com o site Skyscanner, empresa de busca que passagens, recente no Brasil, que tem apresentado os melhores preços e horários  de vôos que eu já vi até hoje. Além de poder usar o buscador pelo seu computador, os caras fizeram um aplicativo incrível para celulares Android e iPhone também para iPad, que ajuda os viajantes a pesquisar e reservar o bilhete diretamente pelo app.   

O próximo passo é ter onde ficar, não é? Infelizmente NYC é salgada nos preços de hotel, mas achamos alternativas ótimas para vários estilos de mochileiros. A primeira é se jogar numa experiência com couchsurfing. As mochileiras aqui do blog já tiveram experiências ótimas em viagens por vários lugares, mas não fizemos em NYC. Porém, a experiência é sempre válida, pois os donos das casas normalmente estão abertos a conversar e te indicar lugares legais para realmente vivenciar a cidade. 

Time Square

Uma opção é achar um hostel/YMCA. YMCA é viável e tem a até quarto para uma pessoa, mas achei o uso do banheiro meio caótico e a cama desconfortável. Caso você não se importe com nada disso, dê uma olhada no Vanderbilt YMCA (224 E 44h St). 

Mas, a experiência em que eu me senti mais feliz foi a terceira: achar um hotel aconchegante e barato. Indico fortemente um hotelzinho chamado Hotel 31. Trata-se de um prédio restaurado e bem charmoso na 31st entre a Lexington e a Park Avenue.  É bem localizado e super limpo. Este também não tem banheiro dentro do quarto, mas isso não foi um problema: o banheiro compartilhado é bem legal, e pelo menos durante a minha experiência, pouco disputado.  

Estar na 31st é perfeito, pois o metrô está pertíssimo da 33rd x Park (linha 6, verde) e tem até uma opção de restô barato e gostoso logo na esquina da 31st com a Lexington para aquele dia em que você estiver querendo ficar pertinho da sua cama e sentindo vontade de comer algo com inspirações italianas– anotem: Vezzo

Agora, deixo alguns dos meus rolês preferidos em duas pontas de Manhattan. 

Em Downtown: 

Manhattan

Andando pelo Meat Packing District, não erre! Vá dar um passeio pelo High Line (entrada pela Gansevoort St.) e curtir um sol às margens do rio Hudson, confortavelmente instalado numa das espreguiçadeiras do lugar mais cool da cidade. Para quem não conhece, trata-se de um parque suspenso, construído numa antiga linha de trem. 

Dica: sempre que eu me programo para ir ao High Line, passo antes no Chelsea Market (75 9th Ave.) para comparar algumas gordices e, eventualmente, um livro ou revista. Para quem gosta de cookies o nome é Jacques Torres, o melhor do mundo! Já os amantes de brownie ficarão felizes em dar uma passada pela Fat Witch e suas milhares de opções de bolinhos (não me perguntem qual é o melhor, para mim, todos são bons). 

Quando der fome, se mande para o Village e vá ao The Spotted Pig (314 W 11th St) comer o hambúrguer com Roquefort, acompanhado de muita batatinha palito ($20)! 

Vá ao Harlem: 

Harlem

A paisagem do Harlem tem mudado bastante nos últimos tempos. Se você quiser subir e dar uma voltinha, pegue a linha 2  vermelha e suba  até a 125 st.- Lenox Avenue. Já nas imediações você encontrará o restaurante Red Rooster (310 Lenox Ave.). Para comer, se você for durante o almoço, recomendo o Helga’s Holiday Menu ($35).  

Gosta de Jazz? Aproveite para conhecer o Lenox Louge (288 Lenox Ave.), casa de lendas como Billie Holiday, Miles Davis, John Coltrane, etc. 

Essas são só algumas opções para você curtir bastante a sua viagem. Empolgados? Vamos ao primeiro passo: pesquisar as passagens para começar a organizar a mochila!

Texto de Isadora Calil – redatora convidada da Skyscanner

Fotos: @rafasilveira

Deixe um comentário

por | 2013/01/28 · 4:33 PM

Sobre viagem e perspectiva

É um clichê monstruoso dizer que cada viagem é uma experiência única.

Mas é, de fato. Ter a oportunidade de conviver com culturas diferentes, estar diante de paisagens que nunca imaginou e respirar centenas de anos de história faz você aprender enxergar as coisas sob outra perspectiva.

É por isso que me encanto com filmes que nos trazem um ponto de vista completamente diferente para as coisas, como esse aqui.

É fácil para um viajante se imaginar dentro de qualquer uma destas tomadas. A primeira reação é tentar buscar um lugar comum, algo com que você se identifique, como você faz quando chega em um lugar estranho e começa a encontrar semelhança entre pessoas na rua com seus amigos ou atores da Globo.

A segunda reação é se imaginar lá dentro. O que pode levar para uma terceira, mais deprimente, que pode fazer você questionar o seu lugar – e sua importância – neste mundo enorme. Ou ficar ansioso por tudo que você nunca vai conseguir conhecer.

Mas, se qualquer coisa como essa aconteceu enquanto você assistia, não se preocupe.

Basta mudar a novamente sua perspectiva.

Deixe um comentário

Arquivado em Dicas de Viagem

Pico do Jaraguá Parte II

Quem acompanha o blog a um tempo talvez se lembre de um post sobre o pico do Jaraguá. Eu e a Dany (muito corajosas que somos) fomos lá ver São Paulo de uma vista super privilegiada… só que não conseguimos terminar a trilha. O sol estava muito forte, a trilha não era bem planejada e em um determinado momento simplesmente não conseguíamos mais subir, então prometemos voltar um dia para terminar. Isso aconteceu em 07/02/2011 e essa semana, depois do feriadão, eu consegui finalmente ir terminar essa caminhada.

Infelizmente a Dany não foi junto pois a geografia não permitiu... As corajosas da vez foram a Fer e a Borges.

Para quem desanimou por eu ter falado que a trilha era mal planejada, se anime!

Agora ela é bem planeja (ou, só melhor, não vamos exagerar).

E para quem nem se animou para começo de conversa, se anime também!

É possível chegar lá em cima de carro. ;)

Dicas do que levar:

– Protetor Solar

– Água, muita água! (deixe algumas garrafas no congelador assim não ficam todas quentes de uma vez – levamos 3 garrafas para cada e foi o suficiente para o caminho todo).

– Comidas práticas: pão de forma, frios, frutas (banana, uva e maça são as melhores).

Não precisa levar muita coisa, só leve o suficiente para fazer um passeio saudável e sem problemas.

A caminhada pode ser cansativa, mas o esforço vale à pena!

Ah! Não percam o post: Pico do Jaraguá Parte I

2 Comentários

Arquivado em Mochilão SP

Festival Internacional de Linguagem Eletrônica e Expo Georges Méliès

FILE

Instalações, vídeos, animações, games, no FILE tem de tudo um pouco e por isso eu espero ansiosa todo ano (esse é o terceiro ano que vou).

Sempre aparecem coisas bem diferentes, que mostram arte e tecnologia juntas de uma forma  super legal.

Acabei não tirando fotos, mas o vídeo a seguir mostra um pouquinho:


O Festival acontece até dia 19 de agosto no SESI, localizado dentro do centro cultural FIESP na av. Paulista, 1313. Entrada gratuita. Mais Informações: http://www.file.org.br

MIS – Georges Méliès, o mágico do cinema

A exposição conta sobre a vida e trajetória do cineasta que é considerado o “Pai dos efeitos visuais”.

Na exposição é possível ver fotos, desenhos, alguns de seus muitos filmes e algumas das roupas e acessórios utilizados por ele.

Dentro da exposição existe uma instalação que permite até 8 pessoas criarem um filme de 30 segundos em um cenário móvel super bacana.

A exposição acontece até dia 16 de setembro no Museu da Imagem e do Som (MIS), localizado na av. Europa, 158. Entrada R$4,00(inteira),  R$2,00(meia)

Mais Informações:

http://www.mis-sp.org.br/icox/icox.php?mdl=mis&op=programacao_interna&id_event=1024

OBS: A instalação é cobrada a parte, o valor é de R$10,00 pelo período de 30 minutos.

Segue algumas fotos que eu tirei  ;)

Deixe um comentário

Arquivado em Mochilão SP

Mais um pouco de Botucatu

Depois de muito tempo, finalmente, a Dany me chamou para ir conhecer a casa da mãe dela (hahahaha) e de quebra, conhecer um pouco Botucatu que eu não conhecia.

O tempo tava bom, então aproveitamos pra fazer uma bela e longa caminhada até a fazenda lageado (campus da UNESP em Botucatu), lugar lindo! Bom pra quem quer tranqüilidade.

Dentro da fazenda há o museu do café (entrada gratuita), vale a pena conhecer e tomar um cafézin muito bom (de grátis! :D)

E a noite, fomos no empório Stammtisch, um lugar com boa música e umas cervejas diferente (mas com preços bem salgadinhos) então de lá fomos comer na Chaplin esfiharia, as esfihas são enormes e os preços são bem em conta.

Muito obrigada Dona Lurdes, que nos deu abrigo e maravilhosas refeições e até breve… porque eu volto pra conhecer mais, aaah eu volto! :D

Links:

Outros posts sobre Botucatu:

http://levonamochila.com/2011/07/04/mochilovers-botucatu-e-seus-bons-ares/

http://levonamochila.com/2012/04/12/mochilovers-pavuna-botucatu/

Informações sobre os locais:

https://pt.foursquare.com/v/chaplin-esfiharia/4d742c34fe1b721e8b54aa1f

http://www.facebook.com/luciapeduti?filter=3

Deixe um comentário

Arquivado em Mochilão SP

TOP 3 Bares SP – III

guest_post

E chegou o grande dia!

Qual será o melhor bar de SP para Cadú Parise, nosso amigo e ‘entendedor do assunto’?

Enjoy ;)

Eis mais uma prova de que “menos é mais”. A simplicidade e o ambiente familiar do Botequim do Cesinha são o que o tornam meu favorito.

O boteco está instalado na garagem do Cesinha, é isso mesmo, e ao lado ele tem uma loja onde vende utensílios para bar (muito bem montada por sinal).

Nas prateleiras, +ou- uns 100 tipos de cervejas especiais de todo o mundo estão à sua disposição para escolher e, se você não for especialista em cervejas (como as mochileiras do blog), pode contar com a ajuda sempre prestativa e bem humorada do Cesinha, da Marisa (esposa) ou da Carol (filha). O garçom, Jerry, sempre está por lá também. Todos eles são muito amáveis e é isto, junto com as cervejas e aquele delicioso sanduíche de rosbife caseiro, que te fazem querer voltar lá, sempre que possível.

Se quiser beber uma Original, Serramalte ou até mesmo uma Brahma, ok. Mas você não vai querer fazer isso sabendo que os sabores diferenciados da Colorado estão lá, a australiana Coopers e, se quiser conhecer mais, apareça lá e diga que conheceu o bar através do Levo na Mochila! Como diz o próprio Cesinha: para conhecer, você tem que ir lá e tomar uma cerveja. E aí, tá esperando o que?

Está aí, este é o meu TOP 3 de Botecos SP, espero que vocês tenham gostado das dicas e agora tirem a bunda da cadeira e bora beber uma gelada!

Post por Cadú Parise
Foto: Revista Época

Deixe um comentário

Arquivado em Mochilão SP