Arquivo da categoria: Brasil

10 lugares para conhecer em Morro de São Paulo – Bahia

Fui para Morro de São Paulo, na Bahia, no ano novo de 2012, viajando com o meu namorado. A paisagem ainda parece intocada pelo homem, as pessoas são educadas e atenciosas e a comida deliciosa, com preço acessível. Se você gosta de uma viagem para relaxar e entrar em contato com a Natureza, esse é um lugar perfeito.

Morro de São Paulo - Segunda Praia

Morro de São Paulo – Segunda Praia

Acabei não aproveitando muitas opções que o lugar oferece, devido ao tempo que eu fiquei (3 dias só!) e ao período que fomos. Sei que as baleias Jubarte aparecem por lá e fazer um show de coreografia entre Julho e Outubro, mas não foi dessa vez que conseguimos ver. Enfim, vamos voltar um dia, por que Morro de São Paulo é apaixonante.

De qualquer forma, vou colocar aqui algumas dicas rápidas de expriências que tivemos e que vocês não podem deixar de ter.

1. Mergulhar em piscinas naturais no meio do mar. Assim do nada, no meio do mar, você encontra esse paraíso: águas cristalinas, até a cintura, onde você pode mergulhar e observar os peixes nos corais.

Piscina no meio do mar

Piscina no meio do mar

2. Visitar o Museu dos Ossos do Tavinho, em Boipeba. O Tavinho é uma figurassa! Um cara super divertido que começou a colecionar ossos e com o tempo montou um museu onde você encontra de tudo um pouco: insetos, tartarugas, aves, etc. O mais legal de visitar o lugar é passar um tempo conversando com ele sobre as mudanças do vilarejo, os naufrágios e outras histórias da região.

Tavinho, dono do Museo do Osso

Tavinho, dono do Museo do Osso

Dentro do Museu do Osso

Dentro do Museu do Osso

3. Lagosta do Guido, em Boipeba. Não é em qualquer lugar que você pode comer uma lagosta pescada e preparada na hora, com um temperinho agridoce de abacaxi,  aproveitando a vista de uma das praias mais bonitas do Brasil, com o pé na areia. O prato da lagosta custa R$35.00.

Lagosta em Boipeba

Lagosta em Boipeba

4. Restaurante flutuante em Boipeba. Os restaurantes flutuantes são bem simples, mas oferecem ostra fresca, tirada no mar na hora, por R$15,00 a porção com 12.

Restaurante flutuante - Retirando as ostras da água

Restaurante flutuante – Retirando as ostras da água

Vista de cima do restaurante flutuante

Vista de cima do restaurante flutuante

5. Assistir o pôr-do-sol do Forte do Morro, na primeira praia.

Pôr-do-Sol visto do Farol, Morro de São Paulo, Bahia

Pôr-do-Sol visto do Farol, Morro de São Paulo, Bahia

6. Comprar artesanato local. Fiquei encantada com o anel e pulseira de coco, feitos por artesãos locais. São lindos e baratos, paguei R$10 em cada um. (Depois vi em uma loja em São Paulo por R$100,00 a pulseira, e duvido que o lucro vá para o artesão).

7. Tomar caipirinha de cacau com siriguela. À noite várias barraquinhas de caipirinha são montadas pelo centro de Morro de São Paulo. Tem caipirinha de tudo e todas as combinações de frutas locais: Siriguela, Cajá e Cacau são muito boas. As que tem combinação com cacau vêm dentro da própria fruta, você não precisa usar copinho plástico!

Caipirinha no centro de Morro de São Paulo

Caipirinha no centro de Morro de São Paulo

8. Visitar Cairu, a primeira cidade do Brasil. Há controvérsias em relação ao município ser ou não a primeira cidade do Brasil, mas com certeza você consegue ver e entender o Brasil do primeiro século de descobrimento lá. Atenção às casas com Eira e sem Beira e a Igreja de Santo Antônio (já falamos disso aqui, lembra?).

Azulejo português na Igreja de Santo Antônio, Cairu -Bahia

Azulejo português na Igreja de Santo Antônio, Cairu -Bahia

9. Praia de Gamboa: É uma praia calma, onde fica Clube de Vela e o banho de argila rosa. No Clube de Vela tem aulas para quem nunca velejou, e se você já tem a habilitação, pode alugar um barco. O restaurante do lugar tem o melhor camarão que eu já comi na vida: Camarão à Samambaia, empanado com coco fresco.

Banho de argila rosa

Banho de argila rosa na Praia de Gamboa

Camarão à samambaia - Praia de Gamboa

Camarão à samambaia – Praia de Gamboa

10. Curtir a noite na segunda praia. É a praia com a vida noturna mais movimentada de Morro de São Paulo. Tem banda ao vivo, sanfoneiros e de tudo um pouco para curtir a noite sem gastar muito. Achei os restaurantes um pouco caros nessa praia, então acho melhor comer na terceira praia (tem restaurantes muito bons e baratos lá).

Você já foi para Morro de São Paulo e tem experiências para compartilhar? Manda pra a gente no levonamochila@gmail.com ou pelo Instagram com #levonamochila.

Fotos por Fabi Kanamaro

Deixe um comentário

Arquivado em Brasil, Destinos

Que tal a Capital? | Parte 2

Grande Brasilia

Após aceitar o desafio que falamos aqui, começamos nossa exploração pela Torre de Televisão de Brasília,  que está lá desde 1965 e é nada menos que a segunda maior estrutura do Brasil. Por acaso a encontramos depois de perguntar para a vendedora do City Tour “O QUE TEM PRA FAZER EM BRASÍLIA”? Ela respondeu: vocês gostam de artesanato? Tem uma feira ali perto da Torre de TV”. E não é que a tal torre de TV permite visitação, e de lá foi possível ver toda a cidade em 360 graus? Uma boa.

Torre de TV de Brasília – 224 metros de altura

Realmente dá pra ver quase tudo, desde o Estádio Nacional de Brasília – que está sendo reformado para a Copa –  passando pelo Eixo Monumental, que é onde se concentram todos aqueles cartões postais carimbados de Brasília: Esplanada dos Ministérios, Catedral, Palácio do Planalto, Supremo Tribunal Federal e o Congresso Nacional, que formam a Praça dos 3 Poderes, bem como o Memorial e a Ponte JK – considerada a “ponte mais bonita do mundo” até uma vista do Lago Paranoá.

Eixo Monumental de Brasília

Esplanada dos Ministérios – Eixo Monumental

Catedral Metropolitana de Brasília

Estádio Nacional de Brasília

Memorial JK – Fundador de Brasília

Ponte JK e Lago Paranoá

Com o City Tour, que leva 2 horas, pudemos ver de perto todos esses cartões postais, passando também pelo Palácio da Alvorada, residência  oficial da presidência… Não é o mesmo que o Palácio do Planalto, lugar de trabalho da presidência.

Palácio da Alvorada

Um aspecto interessante da cidade é que ela é predominantemente administrativa, ou seja, no Plano Piloto moram poucas pessoas, e por esse motivo, Brasília se mostra uma cidade quase desértica, apesar de seu entorno, conhecido como “Grande Brasília” apresentar alta densidade populacional.

Para um brasiliense é comum dizer ao colega de trabalho “boa viagem” ao invés de “vai com Deus”… É uma forma de brincarem com o fato de levarem até 3 horas para chegar ao Plano Piloto e trabalhar. Vale lembrar que a maioria dos trabalhadores de Brasília são servidores públicos, concursados, etc. É por esse motivo que a cidade fica cheia durante a semana, e nos finais de semana mostra-se desértica, uma vez que há um fluxo de ida para as casas (que podem ser até em outros Estados). Também é costume os amigos se reunirem nas casas de outros amigos, já que as opções de diversão em Brasília são limitadas.

Tecnicamente ocorre que as regiões periféricas de Brasília (Cidades satélites) concentram as pessoas, e por esse motivo, é lá que elas se divertem, nos cinemas, baladas, festas, etc. Brasília mesmo possui algumas poucas opções de diversão, principalmente noturna. Então, a dica para quem for para Brasília e quiser se divertir é: conheça as cidades satélites, pois é lá que encontrará vida fora de Brasília.

Não é exatamente uma cidade amiga dos pedestres. Tanto, que a maioria das pessoas de lá andam de carro, e não por coincidência, existem bolsões de estacionamento em vários pontos da cidade. Quando o pedestre se aventura a andar pelas ruas, pode muitas vezes deparar com a falta de calçada, ou calçadas dominadas pelos canteiros das obras.

Quanto ao calor… ahh, essa é uma característica marcante, porque lá sim é quente, e o Sol queima pra valer. Se um dia for para lá, considere o filtro solar e seus trajes de banho para se refrescar (sim, eles andam de sunga no parque). Talvez o Parque da Cidade poderá aliviá-lo nessa tarefa, porém apesar de extremamente grande e possuir muitas árvores, ainda assim é um parque artificial, e as sombras não estão nos lugares que deveriam estar… hehe… Não deixa de ser um bom passeio…

Parque da Cidade Dona Sarah Kubitschek

Sim, algumas pessoas vão ao parque de sunga

E se vocé está acostumado com a vida de cidade grande, com passeios em shoppings, lá a vantagem é que, com exceção do ParkShopping, os demais shoppings como Conjunto Nacional, Pátio Brasil e Brasília Shopping ficam próximos.

 A gastronomia recebe influência nordestina e goiana, mas também a mineira é notável.

Não vimos muitos restaurantes, bares, lanchonetes, etc,  por causa da localização em que estivemos a maior parte do tempo (Setor Hoteleiro Norte).  Porém, como dica,  no Brasília Shopping, encontramos o “Carpe Diem La Parrilla”, que serve a tradicional parrilla argentina, o que nos salvou a pele. O bom é que tem cara de restaurante mesmo, e não de mais um fast-food de shopping. A decoração é caprichada e o prato (ojo de beef) é muito saboroso. Recomendado.

Carpe Diem

Carpe Diem

Carpe Diem

Por fim, podemos dizer que vimos as obras grandiosas, a arquitetura moderna, uma cidade verdadeiramente planejada, que tem uma história interessante no que tange sua concepção e sua construção. E, apesar de muitos considerarem a construção de Brasília um erro do presidente Juscelino Kubitschek, ela é a prova de que o brasileiro pode tudo. Pode inclusive construir uma capital no meio do deserto em apenas 5 anos. E foi o que fizeram. Portanto, se um dia te perguntarem o que você foi fazer em Brasília, você pode simplesmente responder: vim ver do que o brasileiro é capaz.

Bandeiras

Homenagem aos candangos, os construtores de Brasília, em sua maioria, nordestinos.

Fotos por: Antonio Adriano Brito e Reinaldo Oliveira

Deixe um comentário

Arquivado em Brasil, Destinos

Que tal a capital? | Parte 1

Por que Brasília? O que tem de bom em Brasília? Você veio fazer o que aqui?

Essas são algumas das perguntas que muitos nos fizeram nessa viagem.

A resposta é bem simples: Brasília é a capital do nosso país, e querendo ou não, é de lá que vem a maioria das decisões que afetam nosso cotidiano. Todo brasileiro ouve o nome dessa cidade quase que diariamente e sabe que ela representa o poder.

Mais interessante do que o jogo do poder, é descobrir o que tem a capital do seu país, pois muitas vezes é mais fácil conhecermos as capitais de outros países do que do nosso. Mas nem só de política vive Brasília. Ela é uma cidade considerada Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco. Um grande título para uma cidade que tem apenas 50 aninhos, num corpinho de verdadeiro avião. Sim, a cidade foi desenhada em forma de avião, e por esse motivo existem os tais termos “ Plano Piloto, Asa Sul, Asa Norte e por aí vai…

Quase tudo em Brasília tem o toque de Oscar Niemeyer. Para amantes da arquitetura, a cidade é sem dúvida, fonte de inspiração e estudo. Gera no mínimo uma boa discussão, mesmo para leigos no assunto.

A cidade foi planejada por Lucio Costa, e é toda dividida por setores. Há por exemplo, o setor hoteleiro, os setores comerciais, hospitalar, de abastecimento, de gráficas, e até o setor de diversões!  Engana-se quem acha que os brasilienses se perdem com os códigos e os números relativos aos setores e as quadras. Eles sabem a cidade como a palma da mão.

Já quando o assunto é turismo… os brasilienses realmente estranham o movimento turístico, e sempre questionam: O que vieram fazer em Brasília se não vieram a trabalho?

Diante desse desafio, resolvemos descobrir o que é que Brasília tem afinal.

Contaremos essas descobertas no próximo post ;)

2 Comentários

Arquivado em Brasil, Destinos

Sem eira, nem beira. Cairu, Bahia

Sempre ouvi minha mãe falar, aqui no interior de São Paulo, que alguém não tinha “eira nem beira”, ou seja, quando alguém não tinha grana ou um rumo na vida. Mas, foi é no começo desse ano que descobri o que isso significa, em Cairu na Bahia.

Eira e Beira são ornamentos que as casas de classe média  e classe média-alta possuíam para se distinguir dos mais pobres. Quando um homem ia pedir a mão de uma moça em casamento, a família da moça olhava esses ornamentos para ver se o moço tinha “Eira e Beira”. Se ele não tivesse, o casamento não acontecia. Afinal, “ minha filha não vai casar com um fulano sem eira nem beira”. É interessante como usamos essas expressões no dia-a-dia e, muitas vezes, nem sabemos de onde vem.

Uma casa sem eira.

Uma casa com beira.

Deixe um comentário

Arquivado em Brasil, Destinos

Um “causo” na Igreja de Santo Antônio. Cairu, Bahia

Cairu, na Bahia, é a segunda cidade mais antiga do Brasil, fundada em 1608. É formado por pequenas ilhas, então todo o transporte é feito por barcos de pescadores ou lanchas.

No alto do morro tem a Igreja e convento de Santo Antônio. Quando eu fui lá, o guia me disse que as moças que querem casar devem entrar com o pé direito na igreja. Eu fiquei tão empolgada, brincando com e idéia, que quase entrei com o pé esquerdo. Meu namorado me puxou a tempo de mudar de pé!

Não sei se foi a igreja ou não, mas depois de 4 meses fui pedida em casamento.

1 comentário

Arquivado em Brasil, Destinos

Gramado e Canela – Encantos do Sul do Brasil.

Ando super atrasada com os posts, muito trabalho e preparativos para o Mochilão América do Sul. Conto tudinho depois aqui!

Visitei Gramado e Canela há uns dois meses, como vocês podem ver nas fotos na época da páscoa. Mas, acredito que não existe época melhor para essa dica do que o inverno, afinal Gramado é aquela cidade que a gente sempre vê nos noticiários, mostrando em seus termômetros que Brasil não é só calor e praia e que por sinal pode ser beeem frio. hê

As duas cidades ficam muito próximas, eu fiz um tour pelas duas em um dia. E claro que a maior parte do tempo foi comendo, no delicioso e clássico Café Colonial. Por lá existem muitas dessas casas que oferecem café no estilo colonial, chamam de café, mas tem tanta coisa que vira café + almoço + janta. É muita comida!!! Vinho, sucos, geleias, pães, salgadinhos, doces… uma verdadeira loucura!!!

As duas cidades me lembraram bastante Campos do Jordão na serra paulista, que inclusive o Levo na Mochila já visitou, confiram o vídeo aqui.

Meus guias Stellinha e Júnior me mostraram um pouco das duas cidades, que fica pertinho de Porto Alegre – RS, o passeio foi rápido, mas deu para perceber que atrações não faltam por lá, tem museu de tudo que é coisa, museu do automóvel, museu da moda… e tem também as fábricas de chocolates.

As duas cidades, principalmente Gramado são bem românticas e nesse friozinho então, vale uma visita acompanhada de um cobertor de orelha ;)

Confiram a gordice que é o Café Colonial e algumas belezas de Gramado e Canela.

Onde fica?

Gramado

Canela

Fotos por Danyelle Fioravanti

2 Comentários

Arquivado em Brasil, Destinos

Lagoa Hostel – Floripa

Já fizemos uma série de post’s sobre Florianópolis, é Floripa que não acaba mais nesse blog, sempre com muitas dicas que você pode conferir aqui.

O que fazer se essa ilha tem magia?

Então, percebemos que faltava mostrar um pouquinho mais de um dos nossos cantinhos mais especiais em Florianópolis: o Lagoa Hostel.

A princípio tínhamos um certo receio de nos hospedar em um hostel, eu já tinha tido uma experiência razoável na Argentina, mas como seria um hostel no Brasil? Começamos a investigar, as fotos do Lagoa agradaram, trocamos algumas mensagens com o gerente, fizemos uma pesquisa na internet para ver comentários de outras pessoas (pesquisar os comentários na internet ajuda bastante) e pronto, arriscamos!

Eis que colocamos os pés por lá, o Lagoa nos surpreendeu em tudo, desde a recepção super personalizada, aos quartos, banheiros, café da manhã, as dicas de passeios e a cereja do bolo: a jacuzzi! Sim, o Lagoa tem uma área deliciosa ao ar livre e com uma jacuzzi para você se esbaldar.

Outro cantinho do hostel que marcou pra gente, foi a sala de TV. A sala é super aconchegante, com uma TV gigante e inúmeros jogos de tabuleiro, vídeo games. Se chover, a diversão tá garantida.

O hostel fica em uma região muito boa de Floripa, na Lagoa da Conceição, a menos de 100 metros do terminal de ônibus (ótimo para o mochileiros que gostam de economizar com transporte) e muito próximo a um excelente roteiro de bares e restaurantes, alguns deles já apareceram por aqui nos outros posts.

 Também oferecem passeios ao redor da ilha, passeios de lancha, rafting, ou seja, não faltam opções pra você curtir a viagem e querer voltar sempre, como a gente!

Depois de passar por lá três vezes, nossa conclusão é que o Lagoa agrada a todos os gostos em todas as épocas do ano.

Para matar a cobra e mostrar o pau, ai vão algumas fotos para vocês conferirem um pouquinho desse lugar querido :)

Para mais informações acesse: Lagoa Hostel

Fotos por Lagoa Hostel e Danyelle Fioravanti

Deixe um comentário

Arquivado em Brasil, Destinos

Boas dicas de Curitiba à Fortaleza

guest_post

O Levo na Mochila está sempre em busca de parcerias para oferecer cada vez mais dicas e o melhor conteúdo para  manter nossos amigos viajantes sempre informados. Dessa vez contamos com a colaboração da FalaTurista, empresa que opera em mais de 150 cidades brasileiras, oferecendo hotéis para reservas online.

A dica de hoje vai agradar tanto os amantes de um friozinho quanto aos amantes do calor.

Aproveitem ;)

Quem gosta de mochilar já sabe que economia é o segundo passo para fazer uma viagem bacana: o primeiro é escolher o destino. E para viver dias de alegria, descanso e descobertas culturais e artísticas em um canto diferente não é preciso, necessariamente, sair do Brasil. Nosso país é um caldeirão de manifestações culturais em cada região. Por exemplo, já considerou viver todas as delícias de Curitiba, no sul do país, ou Fortaleza, no coração do Ceará?

No friozinho de Curitiba

Em Curitiba o mochileiro vai ver uma outra cara do Brasil. Apesar de ser capital e de ser cidade grande e organizada, a principal cidade do Paraná apresenta um cenário de filme com ares provincianos. Reservar hotel por lá é uma das melhores atividades da viagem, já que a rede hoteleira – assim como a gastronômica – em solo curitibano é de cair o queixo em relação a outros locais do Brasil.

Na cidade é possível viver alguns dias de total aproximação com a natureza, já que são mais de vinte e cinco parques com uma área verde preservada que supera os 80 mil m². E até os bosques e parques, por sua característica cultural, apresentam nuances e fatos do Brasil na época das grandes imigrações européias de italianos, alemães e portugueses e também da imigração japonesa, com vários memoriais a esses eventos espalhados pelos bosques da cidade.

E esse potencial pelas belezas naturais do estado é que fazem Curitiba ser ainda mais bonita e organizada, em relação a outras capitais brasileiras. Não é a toa que um dos principais cartões postais da metrópole de dois milhões de habitantes é justamente seu Jardim Botânico, com uma imperiosa estufa metálica que abriga espécies de plantas comuns em todo o país. A Ópera de Arame, outro monumento dentro de parque, também atrai muitos olhares por suas nuances entre o que o homem faz e o que a natureza fabrica.

Quem escolhe a capital do Paraná como destino e decide reservar albergue ou hotel em Curitiba pode esperar por uma grande imersão cultural. Por lá é possível ver o Museu Oscar Niemeyer, que tem 16 mil m² destinados a exposição de obras de arte, com uma arquitetura que, claro, não poderia deixar de ser exuberante, e o teatro Guaíra, uma das maiores casas de espetáculo da América Latina. Entre museus, igrejas e parques vale a pena visitar Curitiba e tirar de lá o maior número possível de boas experiências.

No calor de Fortaleza

Essa máxima também vale para o viajante que vai pesquisar hotéis em Fortaleza e seguir seu rumo pelo nordeste do Brasil. Cidade praiana e muito animada, a capital do Ceará nos lembra constantemente que há espaço na vida para o trabalho, para o descanso e para a simples constatação de que estar vivo vale muito a pena. Fortaleza tem muitos pontos turísticos certos, como o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, e muitos “neo-clássicos” que sempre chamam a atenção, como a casa onde foi tramado o maior assalto a banco da história do país, contada no filme Assalto ao Banco Central no ano de 2011.

Fora os passeios pela cidade e sua rica manifestação gastronômica está a possibilidade de conhecer um dos mais lindos recortes litorâneos de todo o Brasil. Vale a pena dar uma passada pelas praias de Iracema, Mucuripe e Praia do Futuro e, quem sabe, estender a viagem até Canoa Quebrada e Jericoacoara, verdadeiros paraísos naturais do nosso nordeste. E não se esqueça da lembrança de que a vida pede descanso: aproveite os momentos entre um passeio e outro para tirar um cochilo na rede e compre uma, nas feirinhas de artesanato das praias, para trazer na mochila um pedacinho tradicional desse lindo estado.

Post por FalaTurista
Fotos Google Images e Danyelle Fioravanti

Deixe um comentário

Arquivado em Brasil, Destinos

Centro Budista Três Coroas – RS

Centro Budista Três Coroas no Maps

 Para ler ouvindo: Times like These – Foo Fighters

Não me canso de falar como me fascina a  imprevisibilidade de colocar uma mochila nas costas e ir em busca do desconhecido. Na viagem ao Rio Grande do Sul, umas das melhores descobertas estava no caminho e não no destino. Na estrada rumo a Gramado e Canela, Stellinha e Júnior, queridos amigos e guias da ocasião, me perguntaram se eu gostaria de parar para conhecer o Centro Budista de Três Coroas, claro que eu topei e, fiquei maravilhada com o que vi por lá.

A paz que o lugar transmite já valeu o tempo que ficamos lá, principalmente para acalmar a mente e coração da viajante inquieta aqui, super hiperativos. Além de muitos aprendizados por toda a parte, o Júnior estuda o budismo e teve de aguentar inúmeras perguntas, daqueles bem leigas, sabe?

Lá descobri que não existe só um buda, com todo o respeito, aquele gordinho sorridente que conhecemos, é o buda do futuro, mas existem muitos, cada um com uma espiritualidade diferente. Sidarta Gautama foi o fundador do budismo, o primeiro a alcançar o estado de iluminação e por muitos é considerado o Supremo Buda. Isso eu lembrava das aulas de história, mas jurava que ele era o das estátuas que vemos por aí (o barrigudinho), mas não. Fiquei em choque! hê

O Khadro Ling em Três Coroas – RS, é  uma comunidade de praticantes budistas, lá  fica o primeiro templo tibetano tradicional da América Latina.

O lugar é maravilhoso, repletos de cores vivas, em meio a natureza. Realmente uma visita que vale a pena!


Links:

Khadro Ling

Terra Pura de Padmasambava

Fotos por Danyelle Fioravanti

2 Comentários

Arquivado em Brasil, Destinos

Um sábado em Porto Alegre

Porto Alegre no Maps

  Para ler ouvindo: Vejo Depois – Rael da Rima

Eu e minha caça por passagens em promoção não temos muito critério. É um lugar que ainda não conheço? A passagem cabe no bolso? Negócio fechado! Usando esses critérios (ou falta deles) comprei passagens para Porto Alegre há algum tempo atrás. Até então não conhecia ninguém por lá, mas a imprevisibilidade da vida sempre trás surpresas, né? Acabei conhecendo uma gaúcha pra lá de especial, a Ana, que me recebeu super bem em sua casa e ainda me apresentou sua inspiradora família: os Goelzer.

E como sou sortuda² também conheci Stella, uma paulista queridíssima que trabalha na mesma empresa que eu, mas mora em Porto Alegre. Stellinha também me convidou para um dia com ela, que vou contar em outro post sobre Gramado e Canela :)

O primeiro dia em Porto Alegre foi de conhecer pessoas muito especiais!!! Diferente da fama deles, eu com minha sorte, fomos super bem recebidos. O que foi almoço na casa dos Goelzer? Uma mesa com carne, frango, um delicioso prato de camarão com salmão. Hmmm…Gordinha que sou tive que experimentar um pouquinho de tudo.

Depois de me acabar no delicioso almoço, fui caminhar pelo centro, visitar o Mercado Municipal, o Museu de arte do Rio Grande do Sul, o Santander Cultural (falei das exposições aqui) e as margens do Rio Guaiba. Ah, que vista mágica!

Dia maravilhoso em Porto Alegre, mas cadê o churrasco e a cerveja?

Continuar lendo

2 Comentários

Arquivado em Brasil, Destinos